A comercialização de imóveis dá fôlego ao setor, que aposta na retomada

De pouquinho em pouquinho, o mercado imobiliário vai entrando nos eixos e se recuperando. Em comparação aos últimos anos, 2019 trouxe uma perspectiva otimista, especialmente, no que diz respeito à aquisição de imóveis. Especialistas mostram-se confiantes, e acreditam que é o início da retomada do setor.

O crescimento e a estabilidade atraem investidores ávidos por retorno. A queda da Selic e a inflação controlada garantem valores acessíveis para quem busca por um imóvel. Os experts confirmam: é um ótimo período para fechar negócio!

Os números não mentem

  • De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), estima-se que o aumento do PIB, referente à construção civil, é de 2% neste ano;
  • As informações divulgadas pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) também mostram dados relevantes: no primeiro semestre de 2019, constatou-se o aumento de 9,7% nas vendas e 4% em lançamentos;
  • Segundo o Sindicato da Habitação do estado de São Paulo (SECOVI), entre julho de 2018 e junho deste ano, 36.673 moradias foram comercializadas na cidade de São Paulo;
  • O Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), registrou um avanço de 40,3% em financiamento de moradias de médio e alto padrão, contribuindo para a progressão do setor. A queda dos juros e taxas mais acessíveis são fatores relevantes para quem decide investir.

Oportunidade

João Vianna, cofundador da Loft, considera a aquisição de imóveis de médio e alto padrão um bom negócio: “É um investimento certo, principalmente pela garantia de liquidez que oferece, uma vez que imóveis desse nicho não perdem valor ao longo do tempo”. Esses empreendimentos contam com características relevantes para o mercado, que os tornam ainda mais valorizados.

Compra X venda

A venda de usados, por sua vez, não segue o mesmo caminho. O gerente da imobiliária Lopes Maber, Roberto Padula, esclarece “é um bom momento para comprar, mas não para vender, porque há muita oferta”, diz ele. No entanto, ainda há alternativas para bons negócios”. A permuta, neste caso, pode ser uma ótima opção.